A introdução do glúten é questionada. Novos estudos indicam que a enfermidade celíaca, ou intolerância ao glúten, poderia ser prevenida, se fosse incluída mais cedo na dieta dos bebês de quatro a seis meses, quando ainda são alimentados com o leite materno. Durante muitos anos, foi proposta a exposição do glúten até os seis meses e inclusive até o primeiro ano, mas ultimamente se tem notado que quanto mais for adiada a introdução do glúten, sua incidência aumenta. Especialmente, se for incluída na dieta a partir dos sete ou oito meses. Recentemente, vários estudos tem revelado que o aumento da condição de celíaco se deve a uma exposição maciça ao glúten de forma repentina, o que justifica o aumento das intolerâncias. Sendo assim, se não se toma absolutamente nada de glúten até os sete meses, por exemplo, e de repente se ministra no organismo do bebê uma grande carga desta proteína, seu organismo não poderá suportar e o sistema imunológico o reconhecerá, e o rejeitara. Se isso não for detectado e se insistir na ingestão, acabará desenvolvendo a enfermidade.

Glúten em pequenas quantidades:

Há muito tempo, nossos avós, costumavam dar ao bebê um pedaço de pão, ou um biscoito para que o chupasse. Deste modo, o organismo do pequeno recebia quantidades muito pequenas de glúten e seu organismo ia aceitando aos poucos. Uma vez mais, nossas avós tinham razão e estão concluindo que o correto seria dar ao bebê o leite materno ou mamadeira até os quatro meses aproximadamente e a partir daí então, ir introduzindo uma alimentação complementar que contenha glúten em pequenas quantidades, e aos seis meses aproximadamente, incluir o mingau.

Isso é corroborado em um estudo publicado em 2005 na revista médica Journal of American Medical Association (JAMA) que concluiu que o melhor momento para introduzir a proteína é entre os quatro e seis meses, se começar a administração antes dos três meses, multiplica o risco, depois dos cinco e depois dos seis meses já seria tarde para facilitar a imunização oral. Atualmente o projeto Preventcd, realizado por nove países europeus, está tentando descobrir se é possível evitar o desenvolvimento da enfermidade estimulando a imunização oral nos bebês. Participaram dele 1000 bebês europeus de famílias com pais, mães e irmãos com a enfermidade, a qual foi adicionada um preparado especial com 100 miligramas de glúten entre os quatro e seis meses de vida.

O papel da amamentação materna.

Também estão estudando o papel da amamentação materna como protetora. Ela contém linfócitos, que beneficiam o sistema de defesas do bebê, para que se incluem pequenas quantidades de glúten durante a amamentação, o leite materno exerceria um efeito protetor que facilitaria a tolerância.