Os pais são os melhores e principais estimuladores da linguagem do bebê. São também os grandes responsáveis pela aprendizagem do bebê, pelo seu equilíbrio afetivo e sua adaptação social. A primeira linguagem do bebê é a expressão, através dos balbucios, sorrisos, gritos e outros sons, de sentimentos e necessidades. Assim se comunicam no início. Depois, pouco a pouco, os bebês vão adquirindo uma linguagem mais fluída, chegando ao domínio da comunicação verbal.

Estimule a linguagem de seu bebê

Inicialmente, a linguagem surge por imitação. Os bebês imitam os movimentos e os sons que os pais fazem, quando articulam as palavras. Neste processo, também é importante a compressão do que está sendo ouvido e falado. Para prevenir dificuldades no aprendizado da linguagem, devemos levar em conta uma série de aspectos que devem ser potencializados para convida-lo a adquirir a linguagem. Para que o bebê sinta a necessidade de se comunicar com as pessoas que o rodeiam, você pode colocar em prática, como uma brincadeira, desde cedo os seguintes exercícios:

1. Exercitar os movimentos dos órgãos que interferem na fala. Lembre-se da sucção, a deglutição, a mastigação, a absorção, o sopro, etc. Se puderem utilize recursos como; mandar beijos, soprar com o canudo na água, apitos, flautas, estourar balões, gargarejos, e expressões faciais (riso, susto, lágrimas, surpresa), tocar uma campainha ou qualquer instrumento sonoro para que o bebê vá busca-lo. O bebê imitará os movimentos executados muito lentamente e irá tomando consciência dos órgãos que está treinando.

2. Utilizar palavras cortadas para se dirigir ao bebê. De 1 a 2 sílabas como “vem”, “toma”, use quase sempre as mesmas, de maneira clara e exagerando a entonação, isso irá aumentar o número de palavras de seu vocabulário.

3. Usar frases simples e cortadas para facilitar o seu entendimento. A utilização das frases deve se seguir de uma demonstração para que o bebê consiga identificar o seu conteúdo. Por tanto é preciso que sejam curtas, simples e associadas às ações como, por exemplo, “a mamãe banha o bebê”, “bebê toma leite”, etc.

4. Canções, contos e adivinhações. A partir dos 2 a 3 anos os bebês já podem aprender versos, canções e contos bem curtos. As adivinhações, trava-línguas e cantigas de ninar e de roda, podem ajudar a potencializar a linguagem e a memória.

5. Estimular a expressão espontânea da linguagem. Falando o máximo de tempo possível, aproveitando qualquer ocasião cotidiana como, visitas ao parque, ao zoo, ao supermercado ou a piscina.
6. Perguntas com respostas distintas. Utilizar perguntas que não somente gerem respostas afirmativas ou negativas (sim e não), más também que favoreçam a seleção e a denominação das coisas.

7. Respeite seu tempo e dê a ele oportunidade para falar. É muito importante que tente conversar com ele, respeitando o seu ritmo, seu esforço, e continuar o incentivando com prêmios e elogios. Se o bebê errar, evite críticas.

8. O estimule a pedir verbalmente o que deseja. Para estimular a linguagem de seu bebê, evite demonstrar que entende a linguagem gestual de seu filho. Assim, o seu bebê se esforçará para dizer o que precisa comunicar.

9. Realize atividades direcionadas a melhorar as suas habilidades motoras. Equilíbrio, orientação no espaço e em geral, destreza e precisão nos movimentos, pintura, desenho, brincadeira com areia, montar uma bicicleta, etc. Assim estará o ajudando a se expressar, e a se comunicar socialmente. E caso você observe alguma tipo de anomalia linguística ou atraso na fala de seu bebê, ou suspeite de algum tipo de deficiência auditiva ou atraso psicomotor, deve leva-lo ao pediatra para que o seu problema seja diagnosticado e tratado.