Se o seu bebê tem menos de três meses, chora muito, se contorce, tem gases, tende a encolher as pernas até o abdômen, cerra os punhos, mas ganha peso corretamente, talvez tenha cólicas. Conheça como a osteopatia pode te ajudar neste caso.

A causa das cólicas não está muito clara, no entanto, para a maioria dos autores, a origem deste doloroso processo seria intestinal e teria relação direta com sua alimentação.

Possíveis causas das cólicas infantis:

  • Existência de uma acumulação de gases no trato intestinal, como resultado de uma deglutição exagerada de ar quando o bebê mama no peito ou quando chora.
  • A expulsão de ar após a alimentação é insuficiente.
  • Má absorção dos hidratos de carbono (lactose), o que provoca uma fermentação bacteriana e a produção de H2.
  • Transtornos da motilidade intestinal, devido à produção excessiva de gases.

As cólicas são um motivo de consulta ao pediatra frequente, porque provocam angústia nos pais, que terminam muito cansados e desesperados. Os sintomas podem persistir por até 4 ou 5 meses. É importante realizar consulta prévia com o pediatra, a fim de descartar outras patologias digestivas associadas com esses sintomas, porque é a única pessoa que poderá fazer um diagnóstico real. Antes de qualquer tratamento complementar (osteopatia, fisioterapia, método especial…), é preciso consultar sempre com o pediatra correspondente.

Alguns fatores externos que podem causar cólicas:

  • Se a mãe sofreu estresse emocional durante a gravidez ou no pós-parto tem mais possibilidades de ter um bebê com cólicas.
  • O tabaco aumenta também o risco de cólicas.
  • Os bebês alimentados com leite artificial são mais propensos a sofrer cólicas, porque este provoca uma modificação da flora intestinal, o que não ocorre nos bebês alimentados com leite materno.
  • Também existem bebês que têm alergia as proteínas do leite de vaca, mas apenas um médico pode tomar a decisão de retirar o leite ou dar uma fórmula dietética adequada de acordo com a clínica da criança.

Como você pode ajudar o bebê durante as cólicas:

  • Você tem que pegá-lo nos braços e embalá-lo.
  • Você pode colocá-lo de boca pra baixo (sob a supervisão dos pais e sem deixa-lo sozinho em nenhum momento) e faça uma massagem na barriga (seguindo as orientações dadas na consulta).
  • É útil seguir um tratamento osteopático.
  • É útil manter a cabeça do bebê em uma posição correta quando for dar o peito.
  • É preciso assegurar que, durante as mamadas, o bebê se encontre em um ambiente acolhedor que lhe permite se sentir calmo.
  • É preciso usar mamadeiras que limitem a aerofagia.

A Osteopatia Pode Ajudar Com as Cólicas do Bebê:

Como vimos, a grande maioria dos autores sustentam que este doloroso processo tem uma origem intestinal. Mediante a osteopatia, podemos trabalhar as vísceras (intestino, estômago, fígado, etc.), utilizando técnicas específicas para melhorar a função visceral do bebê. Uma área importante que costuma ser esquecida é o diafragma.

O diafragma é um músculo muito importante tanto a nível fisiológico como biomecânico, já que:

  • Assegura a função respiratória.
  • Participa na massagem das vísceras para otimizar a motilidade intestinal.
  • Regula a pressão na cavidade abdominal e na cavidade torácica.

Se seu bebê tem uma função diafragmática alterada (desde o ponto de vista osteopático), certamente terá transtornos viscerais que se manifestarão em dor e crises de choro, que podem, por sua vez, alterar o sono do pequeno. O osteopata, através de manipulações muito suaves, tentará restaurar essa boa dinâmica diafragmática para melhorar a motilidade intestinal. Se a causa não é um problema de diafragma, o osteopata terá que trabalhar outras estruturas (fáscia, músculos, estruturas viscerais, crânio) relacionadas com as cólicas.

Para garantir a melhora das cólicas, o osteopata, após o tratamento em consulta, deve dar orientações para que os pais possam gerenciar as crises (massagens, posturas, etc.).