Quando a criança tem a sua disposição o bilinguismo desde o nascimento, ou seja, quando tem pai e mãe de línguas diferentes, ou quando migra para um país onde se fala outro idioma. Então a relação com o tempo não pode ser tão relaxada e a necessidade de se comunicar se impõe e acelera o aprendizado. A teoria é dividida em dois enfoques principais sobre as formas mais adequadas de ajudar uma criança a crescer com duas línguas:

Um pai, um idioma. Estabelecer que cada progenitor assuma uma língua e se comunique exclusivamente nesse idioma com o seu filho desde os primeiros anos de vida. Por exemplo, a mãe fala com ele em português e o pai, em inglês. Quando cada pai fala com a criança em seu idioma, ela pode associar o idioma e pessoa e é mais fácil fazer a diferença entre os dois.

O idioma minoritário em casa. Recomenda-se que a criança use na escola e fora de casa o idioma oficial do lugar em que vive, enquanto que em casa, fale a língua materna da família. Fica terminantemente proibido para os adultos misturar os idiomas, embora provavelmente a criança o faça durante um tempo. Um erro que os pais devem tentar corrigir, sem dar muita importância.

A grande dúvida dos pais, cuja língua materna é diferente, geralmente é se vale a pena confundir a criança com mensagens diferentes ou se concordam em falar o mesmo idioma. Nestes casos, os pedagogos lembram que a criança aproveitará o conhecimento e vai aprender independentemente do idioma que falem com ele e que o melhor é que cada pessoa se comunique com a criança na língua em que melhor se expressa.

É provável que se a criança aprende duas línguas ao mesmo tempo vá adquirindo mais lentamente o vocabulário de cada uma delas. Alguns especialistas falam de até seis meses de atraso, desde o momento que começam a falar, mas em pouco tempo colocará em dia e poderá usar os dois idiomas fluentemente.

Quais são os erros mais frequentes que a criança comete quando está aprendendo ao mesmo tempo a falar em dois idiomas?

Às vezes, invertem a ordem das palavras de uma frase, ou misturam vários idiomas na mesma frase, mas sabem perfeitamente o que querem dizer. Os pais devem corrigir estes erros de uma maneira divertida sem traumatizar a criança. É questão de tempo e paciência. Se pais e filhos não falam o mesmo idioma em casa, a comunicação familiar pode enfraquecer e os pais podem perder o controle sobre os seus filhos. Quando os adultos não dominam a língua que os seus filhos aprendem no colégio e que provavelmente, vai acabar prevalecendo, a influência da escola seria primordial e os pais perderiam terreno na educação.