A gagueira, dislalia e a disfonia são alguns dos problemas de fala que podem afetar as crianças. A boa notícia é que quase todos são transtornos leves que são solucionados com a ajuda dos pais e em alguns casos, com um fonoaudiólogo. Antes de se preocupar com a evolução da linguagem do seu filho, lembre-se de que cada criança é diferente e, portanto, há aquela que pronuncia as suas primeiras palavras aos 10 meses como outra que não fala até os 16 meses e ambas podem ter o desenvolvimento adequado. Há alguns sinais que podem fazer você suspeitar que exista um problema no seu desenvolvimento e que deveriam fazer você consultar um fonoaudiólogo.

Sintomas de distúrbio na fala:

É recomendável consultar com um especialista se um bebê não balbuciar ou vocalizar, se com um ano, for incapaz de compreender ordens simples e de apontar objetos e se ele não passar pelo período de explosão de linguagem. Também é aconselhável procurar ajuda se com 3 anos, a criança não sabe pedir coisas, se com 3 ou 4 não entende o que você diz ou ela não compreende o significado do que escuta, se você a considerar abaixo de sua idade cronológica, ou se você estiver preocupada.

Os transtornos da fala e da linguagem:

Os problemas mais comuns frequentemente encontrados pelos especialistas são:

A Dislalia. Afeta a pronuncia de um ou de vários sons concretos da fala, sem que haja qualquer dano anatômico no sistema nervoso central.

Anquiloglossia. É um transtorno da articulação dos fonemas devido a uma alteração orgânica, pode ser que o lábio pareça fechado completamente, que haja um frênulo da língua, ou que o céu da boca esteja danificado.

Disfemia ou gagueira. A fluidez verbal e o ritmo são alterados.

Disfonia. A voz, tom, timbre são alterados.

Atraso na alfabetização. Os transtornos específicos da linguagem. Caracterizam-se por uma grande dificuldade de alfabetização. Esses problemas podem ser de expressão ou de compreensão.

Intervenção terapêutica. Em casa, os pais podem estimular o desenvolvimento da linguagem de seus filhos através da leitura de contos, de canções, de jogos de palavras e do uso de uma linguagem adequada à idade da criança. Mas se o seu filho apresentar algum tipo de dificuldade, o melhor é procurar a ajuda e a orientação de um profissional. Os problemas na fala e na voz, a criança não pronuncia bem ou tem disfonia, são leves e tem bom prognóstico. Os distúrbios de linguagem geralmente necessitam de um tratamento longo.