Toda a criança durante uma fase faz birra. Elas se tornarem um problema, vai depender muito da maneira de como você vai lidar com elas. Entre os 2 e os 4 anos de idade, as crianças afirmam a sua autonomia recém-descoberta. Agora eles sabem que são seres distintos, diferentes de seus pais e precisam aprender até onde podem chegar fazendo as coisas à sua maneira. Simplesmente procuram saber qual é o seu poder. Dito de outra maneira: “Se eu choro, posso controlar a situação?” É uma forma de comprovarem se podem nos controlar.

Como lidar com as birras:

Mantenha a calma, ou pelo menos, não deixe que a criança perceba que altera você. Não preste atenção à gritaria, mas na criança. Se, por exemplo, ela grita porque não quer tomar banho, você deve agir como se nada tivesse ocorrendo, e durante o banho, conte uma história, ou antecipe o que ela vai jantar. Não aparente ligar para o seu choro e para a resistência.

Não ceda a suas exigências. Se você fizer isso, você estará perdida. Sem público, não há show. Se o seu filho é dos que montam um espetáculo sempre que têm visitas, mande-o para o quarto e não interrompa a sua reunião com os amigos. Procure um comportamento positivo que seja incompatível com a choradeira. Por exemplo, ele pode ser o encarregado de ir colocando os produtos no carrinho do supermercado ou escolher três canções para você cantar durante o banho. Não antecipe o que vai acontecer, nem comente sobre a “birra”, depois que ela terminar. Se você fizer comentários do tipo “e veja se não vai fazer uma cena no supermercado”, pode animá-lo mais.

E os comentários posteriores servem somente para que a criança perceba até que ponto a afetou com o seu comportamento. Não viva com medo das birras, é um erro adaptar o que fazemos ou deixamos de fazer em função do filho chorar ou não. Se ele quer chorar, que chore, mas que o choro não sirva para nada.