A socialização dos pequeninos é muito importante, mas isso não implica que deveriam se atirar (no sentido figurado, é claro) em direção ao mundo, quando ainda não estão preparados no âmbito emocional para se relacionar com os outros.

Desde que a criança nasce, vai se acostumando a estar na companhia de diferentes pessoas que não sejam os seus pais. Outros familiares, vizinhos ou amigos da família vão enriquecendo com suas visitas o caráter da criança. No entanto, a necessidade de estar na companhia de seus pais é real e não implica um mero capricho.

Diferentes psicólogos e sociólogos têm estudado o comportamento dos pequenos desde o seu nascimento e concluem que não é positivo que uma criança muito pequena entre em contato com seus pares, porque pode se produzir uma confusão emocional e o processo de socialização não se concretiza, já que os pequenos tendem a ser muito individualistas enquanto conhecem a si mesmos, o que está bem.

Como Apoiar a Socialização entre as Crianças

A idade mais adequada para que uma criança comece a se relacionar com outras crianças é ter, no mínimo, três anos de idade. É que a partir dessa idade o pequeno vai amadurecendo certos aspectos emocionais que o levam a não depender de cem por cento do seu pai ou da sua mãe. Então, é ali quando começa o verdadeiro processo de socialização, seja em um parque, um berçário, um jardim de infância ou outros lugares similares.

A criança estará preparada para se socializar quando já conhecer a si mesma. Desta forma, poderá manter a sua estima alta e poderá construir seus próprios laços com outras crianças que tenham os mesmos gostos ou interesses. Então, será ele mesmo quem decidirá com quem prefere brincar, compartilhar um brinquedo ou se relacionar.

Então, tem que ficar bem claro: não é preciso apressar nem pressionar a criança para que comece o processo de socialização, porque a criança deve ter o seu tempo para aprender a estar com seus pais e, gradualmente, soltar alguns laços emocionais no caminho da vida.