Eles prejudicam. A pressa, o cansaço e o mau humor nos faz perder a paciência com as crianças com muita frequência. Se forem educados a base de gritos cada vez que se comportam mal, prejudicaremos o seu desenvolvimento emocional.

Existem outras maneiras mais efetivas de proceder. Segundo um estudo da Escola de Serviço Social Simmons de Boston (EUA), gritar com as crianças causa danos a sua personalidade e a segurança, e pode causar problemas na sua saúde mental, depressão e abuso de álcool durante a adolescência. Ouvi-lo gritando perturba o seu filho.

Se transformarmos essas reações em algo habitual, ele associará o cumprimento das normas ao medo. Com outro risco associado, se assustará tanto com nosso aumento no tom que acabará se afastando e nos verá como uma pessoa autoritária e distante. Mas isso não é tudo.

Quando não nos controlamos, a mensagem perde efetividade. A criança não nos vê como uma figura de autoridade, pelo contrário. As crianças tem muita capacidade de observação e se dão conta de que estas reações se devem mais a problemas dos adultos que ao seu próprio comportamento.

Técnica para controlar os nervos:

  • Técnica do 5 x 5. Escolha cinco momentos do dia, dois ou três pela manhã e dois ou três na parte da tarde, para parar com a sua atividade habitual e fazer algo que relaxe. Escute uma música, leia um livro, leia um artigo de jornal, coma algo ou converse com seus companheiros, sobre algum tema que não tenha nada a ver com o trabalho. Não volte a rotina até cinco minutos depois, período em que só deve pensar em se desestressar e não em tudo o que ainda tem para fazer, quando passar esse tempo.
  • O termômetro da ansiedade. Estabeleça uma regra de 0 a 10, onde 0 seria o estado de máximo relaxamento e 10 o de ansiedade total. Descubra a que nível de estresse você está e se estiver chegado a um nível muito alto, faça algo relaxante para abaixar a tensão.
  • A respiração diafragmática. Coloque uma de suas mãos sobre o músculo do diafragma, abaixo do esterno, puxe o ar pelo nariz de tal forma que a mão saia, enchendo o abdômen. Expulse o ar pela boca até que o abdômen se esvazie por completo. A respiração se faz em três tempos, inspirar, segurar o ar uns quatro segundos e espirar. Faça isso quando não estiver muito alterada, pois assim é mais efetiva e repita o exercício umas 10 ou 15 vezes.
  • O relaxamento muscular. Aprenda a prender e soltar os principais grupos musculares para saber como se sente, se o músculo está tenso ou se está relaxado, desta forma, identificará quando o seu corpo esta a ponto de perder a paciência. Comece pelas mãos, fechando os punhos uns cinco segundos e repetindo o gesto 10 vezes, continue com a parte anterior dos braços, flexionando até o corpo e para cima e voltando com rapidez a posição inicial, para a parte superior os braços, estica-los para frente uns segundos, cerre os punhos e volte a abaixa-los, e para o ombro, subindo e abaixando com movimento rápidos. Em seguida trabalhe a face e as pernas e repita o processo duas vezes por dia nas primeiras semanas. Depois, será suficiente fazê-los uma vez ao dia.