Corrigir as crianças é difícil e requer muita paciência, muitas vezes nos deixamos levar pela raiva do momento e dizemos palavras que podem feri-las, torná-las inseguras ou reprimi-las; mas também as palavras podem alegrá-las, fazer com que se sintam bem e motivá-las a fazer bem as coisas.

Ao corrigir o seu filho, uma simples mudança de frase pode fazer a diferença, e em vez de gerar sentimentos negativos, podemos ajudá-lo a se controlar e aprender, assim como fazê-los se sentirem importantes e felizes. Quando der uma ordem ou orientação pense duas vezes e envie a mensagem de forma diferente, sempre usando um tom firme e amável ao mesmo tempo, não é necessário ser autoritário nem implorar para a criança.

Como Corrigir Crianças de Forma Adequada

As crianças acreditam no que os adultos dizem, por isso não diga frases negativas que o façam se sentir menos ou se sentir culpado. Utilize frases estimulantes:

“Você nunca tem seus brinquedos em ordem”, “que vergonha me fez passar”, mude para “que lindo seria se os seus brinquedos estivessem em ordem”, “estou surpreso, espero que você se comporte bem da próxima, porque assim não terei que te castigar”.

Gritar apenas gera tensão na criança, muitas vezes com apenas uma pergunta ou sugestão é possível lembrar a criança de mudar o comportamento:

“Cale-se!”, “você está me deixando surda!”, “eu te disse para obedecer, agora vou contar para o papai”, mude para “vamos conversar em voz baixa”, “acalme-se!”, “você está usando a sua voz interior?”, “você acha que está se comportando bem?”.

As crianças têm uma necessidade incrível de amor, e você deve demonstrar isso em todos os momentos, mesmo quando você está corrigindo-a para que não sintam que está sempre reclamando:

“Quão mal você está se comportando”, “até agora, você não lavou o rosto e nem sequer penteou o cabelo”, mude para “amo você, mas não gosto de como você está se comportando”, “quando terminar de se lavar e pentear você estará lindo” (incentivo e elogio).

As crianças aprendem repetindo, você deve ter muita muita paciência até que consigam aprender, podem precisar de ajuda em repetidas ocasiões, deixa-las conscientes da nossa frustração apenas fará com que sintam que não servem para nada:

“Todos os dias eu te ensino como montar o avião e ainda não consegue fazer sozinho”, “como você é desajeitado!”, mude para “montar o avião é difícil, vamos continuar praticando”, “pouco a pouco você conseguirá, isso é difícil”.

Ao corrigir a criança com ameaças apenas conseguirá que faça o que você quer por medo, tente ensinar a relação causa-efeito que o encorajará a fazer as coisas e a pensar antes de agir:

“Se você jogar os brinquedos novamente, vou guardá-los”, “coloque o casaco ou você não poderá ir” mude para “não jogue os brinquedos porque vão quebrar, e depois você não poderá brincar”, “coloque o casaco para não ficar doente”.

Os bons sentimentos são ensinados pelo exemplo e conversando muito com eles, de nenhuma maneira podem ser impostos, é algo que deve nascer da criança:

“Já te disse que você tem que compartilhar, empreste a boneca para sua irmã”, mude para “sua irmã realmente gosta da sua boneca, que bom poderem brincar juntas”.