Se o seu filho quer um animal de estimação, não negue. O animalzinho vai se transformar em seu melhor amigo e será muito benéfico para ele. Pense bem, é uma decisão que não deve ser tomada rapidamente. A compra de um animalzinho para o seu filho deve ser pensada previamente. Por mais que o seu filho tenha se comprometido a se ocupar de seus cuidados, você terminará assumindo a metade das tarefas. Então você deve saber com clareza que quer assumir essa nova carga, já que a responsabilidade de seu bem-estar é sempre dos adultos, nunca da criança. Uma vez tomada à decisão, é preciso escolher qual o animal mais adequado de acordo com o espaço disponível em casa, os seus hábitos e necessidades, a alimentação, as vacinas, a higiene, o tempo que poderá se dedicar a ele, inclusive, os gastos que implicará a sua manutenção.

A hora de escolher:

É importante considerar a idade da criança. Antes dos três anos as crianças são incapazes de assumir o cuidado de um ser vivo.

A partir dos quatro anos já poderá se ocupar de algumas tarefas, como alimentar ou limpar a sua casa. Para esta idade, opte por animais que requerem pouca atenção como um gato, um hamster, um pássaro ou uma tartaruga.

Se a criança quer um cachorro, espere até que complete seis anos, porque são mais exigentes, é preciso levá-los para passear, dar banho ou brincar com eles.

Os animais são grandes “terapeutas”, por isso não hesite em consultar um especialista sobre qual é o mais adequado para o seu filho. Por exemplo, observar os movimentos elegantes dos gatos ou a frenética atividade de um hamster o ajudará a focar a sua atenção e a aumentar a sua concentração, um golden retriever é o cão ideal para as crianças sedentárias, porque eles são muito brincalhões e, ao contrário, a tranquilidade de um grande dane dog o torna perfeito para as crianças hiperativas.

Um amigo que ajuda muito:

Não há duvida de que os animais são uma excelente companhia. E, além disso, trarão outras vantagens a sua educação.
Sentido de responsabilidade. Estabelece uma divisão de obrigações entre os membros da família. Em função da idade da criança, atribua o trabalho de levá-lo para passear, trocar a água e dar ração, manter limpa a sua gaiola ou brincar com ele. A criança vai assumir de bom grado se você explicar que depende dela o bem-estar de seu novo amigo.

Respeito. O contato com os animais incentivará o seu amor pela natureza e o ensinará a ter respeito com o resto dos seres vivos, e a ser mais sensível e tolerante as necessidades e debilidades dos outros.
Bons professores. Através da vida de suas mascotes, será mais fácil explicar a ele as “coisas da vida”, como a reprodução, as enfermidades e a morte.

Atividade física. Brincar com o seu amiguinho vai ser a sua atividade favorita. Se a criança, a ajudará em seu desenvolvimento psicomotor, engatinhar, pegar a bola, ou mesmo, dar os seus primeiros passos atrás de seu colega peludo. Se a criança for maior, essas brincadeiras o animarão a abandonar as atividades sedentárias, como a televisão e os jogos de videogame.

Relaxamento. Acariciar um animal faz com que o nosso corpo libere endorfinas, reduzindo o stress e a ansiedade.