Embora seja normal que o parto se inicie de maneira espontânea em alguns caso o médico pode recomendar provocá-lo de maneira artificial. Estes são os motivos que podem levar o especialista a tomar esta decisão. A ruptura da bolsa, as contrações, a dilatação e o choro do bebê anunciando a sua chegada. O mais comum é que o parto transcorra desta maneira, mas se alguns desses passos falharem ou a prolongação da gravidez colocar em risco a sua saúde é possível que o especialista decida provocar o parto. Os motivos para induzir o nascimento são muito variáveis, mas, geralmente, o seu médico decidirá por ele se:

  • Se você sofrer alguma doença, como a hipertensão ou a diabetes, entre outras. Existem complicações obstétricas, tais como ruptura prematura de membranas.
  • A gestação é cronologicamente prolongada.
  • O bebê apresenta problemas como suspeita de risco fetal, retardo de crescimento intrauterino.

Indução eletiva. É o início do trabalho de parto por preferência da gestante ou do médico. Parece um motivo menos importante para provocar o nascimento do bebê, no entanto, estão incluídos aspectos como residir longe do hospital ou em lugares sem comunicação eficiente, antecedentes de parto rápido. Nestes casos, é preferível programar o parto e evitar situações de risco derivadas da impossibilidade de uma atenção médica precoce.

Por outro lado, a indução estará contraindicada se você tem placenta prévia, desproporção céfalo pélvica, cirurgia uterina, exceto cesária segmentar ou se o bebê se encontra em uma posição transversal ou oblíqua ou com prolapso de cordão umbilical.

Ajuda no início do parto:

A causa médica é o motivo principal para tomar a decisão de provocar o parto. Portanto, a única maneira de evitar isso é que a gestante inicie este processo espontaneamente. Para ajudar a conseguir isso e se não existe contraindicação, deve abandonar a vida sedentária, dando longas caminhadas e se mantendo o mais ativa possível.