A pré-eclâmpsia é uma complicação que ocorre durante a gravidez, aproximadamente 7% das mulheres grávidas. Costuma aparecer após a 20ª semana de gestação (segundo e terceiro trimestre da gravidez) manifestando-se com hipertensão arterial, inchaço ou retenção de líquidos pela diminuição das proteínas no sangue, as quais são evacuadas na urina. Pode aparecer lentamente durante a gravidez ou bruscamente no final da mesma.

A pré-eclâmpsia é diferente da hipertensão gestacional; na primeira, além da elevação da pressão, se apresenta proteína na urina, enquanto que a segunda é apenas a elevação da pressão. Uma mãe com hipertensão gestacional pode desenvolver pré-eclâmpsia.

As causas da pré-eclâmpsia ainda são desconhecidas, mas acredita-se que ocorra como uma resposta do organismo da mãe a certos componentes do DNA do pai que agora formam parte do bebê. Também se acredita que ocorre quando não existe uma correta circulação para a placenta por diversas razões.

Quais Mães têm mais Probabilidade de ter Pré-eclâmpsia

  • Mulheres com hipertensão ou diabetes antes da gravidez.
  • Mulheres que sofrem de lúpus eritematoso, trombofilia, insuficiência renal.
  • Ter antecedentes familiares de pré-eclâmpsia.
  • Ser uma mãe adolescente ou em idade avançada.
  • Sofre de obesidade.
  • Ter uma gravidez múltipla (gêmeos, trigêmeos).
  • Mulheres negras.
  • Algumas pesquisas recentes dizem que baixos níveis de vitamina D durante a gravidez também podem predispor a sofrer essa doença.

Sintomas da Pré-eclâmpsia Leve

Para que seja diagnosticada a pré-eclâmpsia, não apenas basta ter a pressão alta ou um inchaço, mas deve apresentar os seguintes sintomas:

  • Pressão arterial 140/90 – 160/110 e 5 gramas de proteína na urina durante 24 horas.
  • Edema (inchaço) da face das mãos.
  • Desconforto na função hepática, como mal estar ao comer gorduras ou nojo de certos alimentos.
  • Intolerância à luz, desconforto nos olhos.
  • Presença de proteína na urina.

Sintomas da Pré-eclâmpsia Grave

Além dos sintomas da pré-eclâmpsia leve também se apresentam:

  • Pressão arterial superior ou igual a 160/110 e mais de 5 gramas de proteína na urina por 24 horas.
  • Diminuição da micção.
  • Distúrbios mentais.
  • Dores de estômago intensas.
  • Dificuldade para respirar quando está deitada, cor acinzentada da pele.
  • Ganho de peso de mais de 2 quilos por semana.
  • Alterações na visão: visão turva, visão dupla, ver estrelas brilhantes, intolerância à luz.
  • Fortes dores de cabeça.

Se você tem pré-eclâmpsia, pode continuar com sua gravidez, sempre e quando tiver um adequado tratamento e controle. Se a doença se complica, será necessário induzir o parto ou fazer uma cesariana, mas a melhor opção sempre será controlar a doença com a finalidade de que o bebê complete o seu desenvolvimento no útero materno.