O seu bebê nasceu com as orelhas salientes. É uma peculiaridade muito “comum” que só tem consequências estéticas. Algumas crianças vivem com elas sem inteirar-se, para outros, é um problema. Neste caso, pode se recorrer às novas próteses adesivas de silicone ou corrigir cirurgicamente. Se está é a sua opção, escolha bem o momento para que a cirurgia seja um êxito. As “orelhas de abano” são malformações congênitas da orelha mais comum. De fato, estima-se que um em cada trinta bebês nascem com as orelhas mais abertas do que o normal. Segundo os especialistas, as orelhas salientes quando o tamanho, forma ou posição são desproporcionais em relação a outras características faciais. E mais concretamente, uma orelha aberta é aquela em que a parte superior lateral tem uma separação de mais de dois centímetros da cabeça.

Uma nova e bem-sucedida prótese:

As faixas e os esparadrapos acabaram. Foi desenvolvida uma prótese de silicone transparente (corretor estético de orelhas) e praticamente invisível, que é colocada na parte superior da orelha, fixada na parte posterior da orelha, junto à cabeça. A prótese é fácil de colocar e deve ser reposta a cada 15 dias, esta tendo um grande êxito tanto entre os adultos como entre os pais de crianças que tem este pequeno problema estético. Tanto é assim que os pesquisadores estão trabalhando em uma versão para que os bebês possam usá-la a partir dos primeiros meses. Os criadores da prótese afirmam que se o bebê a usar desde pequeno, as orelhas de abano vão ser corrigidas de forma visível.

A operação:

A intervenção cirúrgica, chamada otoplastia é a única solução definitiva. Para aqueles casos em que a vida escolar, social e emocional da criança seja afetada, por essa malformação congênita, se causa piadas entre seus colegas e complexos na criança, talvez os pais devessem considerar a conveniência de recorrer à cirurgia. Mas o requisito fundamental para realizar a otoplastia é que a criança tenha completado os seis ou sete anos, quando a orelha já tenha adquirido a forma definitiva que terá na idade adulta. A intervenção é simples, e é realizada com diferentes técnicas e oferece resultados definitivos. Dependendo da idade da criança, é utilizada a anestesia geral, os menores de 10 anos, ou local. Em alguns dias, a criança poderá levar uma vida normal.