O que os nossos filhos mais gostam nos meses de calor é de curtir a água do mar e da piscina. Está em nossas mãos, prevenir os acidentes nessas atividades e garantir a saúde e a segurança das crianças.

Todas as crianças adoram piscina e praia e as brincadeiras realizadas na água. Mas essa diversão tem que ser acompanhada de uma série de precauções que garantam a sua segurança. Os acidentes ocorrem com mais frequência em piscinas particulares e com menores de seis anos. Portanto, é recomendável fechar o acesso à piscina para evitar que a criança entre nela na ausência de um adulto ou caia dentro dela.

Quando entrarem na água, não o perca de vista, se o seu filho não sabe nadar, coloque boias nele, inclusive se estiver só brincando perto da piscina. Antes de estender a toalha em uma piscina pública ou na praia, localize o posto de primeiros socorros, caso precise de ajuda em algum momento. Se forem a passeios em rios, evite os banhos em lugares que não são habitados.

Pode parecer que a água é tranquila, mas as correntes são variáveis e podem assustar. Nos rios a profundidade é muito diferente de uma área para a outra e não há salva-vidas. A indigestão ou paragem digestiva é frequente, mas evita-la é muito simples. Ela ocorre quando fazemos exercícios depois de comer e o fluxo sanguíneo se dirige para os músculos e não para o estômago para ajudar a digerir. Portanto, repouse depois de comer, evitando a atividade física e os banhos em água muito fria.

Se o almoço foi pesado, respeite o tempo de digestão, umas duas horas e entre na água de maneira progressiva, molhando a nuca e o estômago antes de mergulhar por completo. Se o seu filho gosta de mergulhar, dê para ele óculos de mergulho, o cloro e outros agentes desinfetantes que são adicionados à água das piscinas podem, irritar os olhos, favorecer a entrada de germes e provocar uma infecção na conjuntiva. A água das piscinas também podem ser as responsáveis pela otite externa, que ocorrem em consequência da entrada, no canal auditivo, de água com vírus ou bactérias.

Para se prevenir, procure secar os ouvidos da criança com a ponta da toalha, não utilize cotonetes, assim que sair da água. O calor e a umidade tornam possível a proliferação dos fungos, especialmente nas piscinas e em áreas verdes. Para evitar, coloque chinelos na criança em locais públicos, como piscinas, duchas e ginásios e escolha calçados de materiais que transpirem.