Aprender a dominar uma raiva, fazer frente a um desafio difícil ou superar um sentimento de ira não é fácil para um adulto. Muito menos para uma criança. Mas controlar as emoções é fundamental para desenvolvermos com êxito a nossa vida social. Veja como pode ajudar o seu filho neste caminho.

Uma pessoa equilibrada, empática e tolerante. Se você quer que o seu filho seja um adulto com essas características é fundamental que desenvolva a chamada inteligência emocional. Uma habilidade que o permitirá saber controlar seus próprios sentimentos e entender os demais, o que, sem dúvida, será de grande ajuda na sua relação social, familiar e escolar. Mas adquirir este tipo de inteligência não é fácil. As crianças são puro sentimento e experimentam tudo com o coração. Utilizar à lógica e o raciocínio leva tempo. Se você quiser dar uma mão neste caminho complicado, aqui estão alguns conselhos:

  • Dê nome as suas emoções. Raiva, nervosismo, inveja. Você já se perguntou se seu filho sabe o que são? Embora para você pareça obvio, ele desconhece o seu significado, embora os sinta. Comece a verbalizar e a classificar os seus sentimentos; o ajudará a compreendê-los. “Entendo que você está nervoso porque é a primeira vez que entra nessa classe”.
  • Puxe a linha. Se interesse pelo que acontece, e através da conversa, tente que vá entendendo o que o assusta e o que o enraivece. Se puder compartilhar com você, poderá ajuda-lo. E o ensine a se expressar com moderação e autocontrole.
  • Dê opções. Seu irmão acaba de quebrar um brinquedo e ele lhe dá um empurrão. Se apenas repreende-lo dizendo que isso não são maneiras, tudo que conseguirá é aumentar a sua raiva. Diga que você entende, mas que machucar o outro não resolverá. Encoraje-o a falar com ele, e em seguida, pedir-lhe para explicar como ele teria reagido e o que teria feito para se desculpar.
  • Promova a sua empatia. Ser capaz de se colocar no lugar do outro o ajudará a ser mais tolerante e a estabelecer melhores relações sociais. Se seu melhor amigo está chorando, pergunte o que pensa que deveria fazer. Se não sabe responder, deixe-o ver que é tão simples como imaginar o que ele precisaria se estivesse em seu lugar, com certeza vai lhe dar um abraço sem demora.
  • Dê exemplo. Você explode quando está com raiva? Como pretende que ele não faça com o tempo. Você será a sua maior referencia em sua vida. Tenha isso em mente, porque da mesma forma que copiam o “mau”, copiaram o “bom”.