Costuma-se dizer que as crianças são como esponjas. E é verdade, mas se comunicar é um dos aprendizados mais complicados, inclusive para eles. Se tiver que ser feito em duas línguas precisam de mais tempo, e de todo apoio dos pais.

A melhor idade para aprender um segundo idioma:

Se existe algo que os pais querem é proporcionar a seus filhos o domínio de uma segunda língua desde a infância. O mundo globalizado exige o aprendizado de, pelo menos, dois idiomas e os colégios bilíngues oferecem esta possibilidade desde a educação infantil. Mas os benefícios de um bilinguismo precoce vão mais além do que se adiantar a uma hipotética necessidade do futuro. Está demonstrado que as crianças expostas a vários idiomas desde pequenas são mais criativas e desenvolvem mais habilidades. Aprender um segundo idioma ajuda a programar os circuitos cerebrais e será mais fácil aprender novas línguas no futuro.

Qual o melhor momento para começar com outro idioma?

Os especialistas em Psicologia Evolutiva concordam que uma vez que os conhecimentos na língua materna são suficientes para que a criança seja capaz de associar cada palavra com um objeto, podendo assim começar a educação formal de outro idioma, ou seja, não antes dos três ou quatro anos. Neste momento da evolução psicológica, a criança não oferece resistência a entender mensagens simples em outro idioma e a reproduzi-los pouco depois, com uma incrível capacidade para imitar novas fonéticas.

Algo que, inevitavelmente vai se perdendo com os anos. Na idade pré-escolar as crianças aprendem muito bem os conteúdos da memória através de canções e contos. Elas não sentem a necessidade de saber como se escreve as palavras. O êxito do método escolhido para ensinar a criança está enraizado neste ponto, tem que ser como uma brincadeira, alguma coisa que divirta a criança e desperte nela a sua curiosidade.

A intenção é que a criança goste do idioma e se divirta. Não se esqueça de que os resultados são esperados a longo prazo. O melhor que pode ser feito com uma segunda língua, sem que a vejam como uma obrigação, com regras e exames.