Embora a maioria dos bebês nasça de cabeça, nem todos estão bem posicionados. Em posições como a transversal ou de cara, a cesariana é indispensável. Se o seu bebê está em pé, a decisão é tomada pelo ginecologista e na maioria dos casos, o parto também terminará em cesárea. A posição em que se encontra o bebê para nascer condiciona muito o desenvolvimento do parto. Algumas são incompatíveis com o parto por via vaginal.

Posição cefálica: Em 96% dos casos os bebês estão posicionados de boca para baixo e olhando para as costas da mãe. Se não existir outra complicação, vai permitir ao bebê nascer por parto normal.

De cara: Se tem o pescoço arqueado para trás e a primeira coisa que aparece é a cara, a testa ou a nuca, é possível que o ginecologista decida pela cesariana, porque nessa posição o bebê sai com mais dificuldade e o seu pescoço pode sofrer alguns danos.

Posição transversal: No caso do feto estar atravessado no canal de parto, o mais provável é que venha ao mundo mostrando um ombro ou um braço. Diante dessa complicação, geralmente, também a opção é por uma cesariana para evitar a ruptura das articulações.

De nádegas, pés ou de joelho: Alguns especialistas consideram que se o bebê está flexionado para frente e a pélvis materna não é muito estreita o parto vaginal é possível, com ou sem a ajuda do fórceps. No entanto, outros preferem programar uma cesárea para prevenir complicações, se estima que um feto que vem de nádegas tem quadro vezes mais probabilidades de sofrer lesões.