Toda mulher grávida sofre, no inicio muito leves, depois talvez mais incômodas. Mas são necessárias e raras vezes patológicas. Aprender a reconhecê-las irá ajudar a ter tranquilidade. A barriga endurece durante 30-40 segundos, pode mudar de forma e se você pressionar o abdômen vai notar que está muito tenso. Poderão ocorrer várias vezes ao dia e não têm porque se preocupar. O útero tem que se exercitar ao longo da gravidez para permitir o nascimento de seu filho. Por isso, se contrai e relaxa sem padrão e ritmos fixos. Estas contrações não causam dor, especialmente no primeiro semestre quando são quase imperceptíveis, mas podem ser incomodas nas últimas semanas, especialmente depois de ter feito um esforço físico considerável.

Três tipos de contrações:

Os especialistas distinguem vários tipos de contrações em função de sua intensidade e frequência e estas variam à medida que a gestação avança.

  • 1- Contrações do tipo A, também chamadas contrações de contrações focais, aquelas de intensidade tão baixa que você não notará e pode ser que tampouco o seu ginecologista. Ocorrem até a semana 30 de gravidez, quando o útero ocupa a posição baixa do ventre, ou seja, do umbigo aos púbis. São mais frequentes, e você pode ter até seis por dia.
  • 2- Contrações do tipo B ou de Braxton Hicks, você começará a notá-las claramente a partir do sexto mês de gravidez. São mais intensas, mas não dolorosas. Não invadem todo o útero, mas apenas algumas áreas e você poderá ter até 10 diárias. Pode chegar a notar até uma contração de Braxton Hicks a cada hora, mas mais de 3 por hora não é normal. Este é um número que deve servir como uma orientação. O mais importante é que as contrações fisiológicas, as normais, carecem por completo de ritmo, portanto, poderá sentir duas ou três em meia hora e não notar nenhuma mais até várias horas depois, inclusive até o dia seguinte. Se forem incomodas e mais frequentes do que o normal, consulte o seu ginecologista.
  • 3- Contrações do tipo C ou patológicas: são muito mais fortes, incomodas e perigosas já que, se não for inibida, podem terminar com um parto prematuro. Modificam o colo do útero e são similares com as contrações da primeira fase do parto. O especialista prescreverá uma medicação para freiar o processo e recomendará repouso, podendo requerer inclusive internação hospitalar.

Para reduzir o número de contrações. Estes são alguns fatores que podem desencadear um número maior de contrações:

  • Esforços físicos, andar depressa, correr, se levantar de forma brusca, carregar peso. Ainda assim, leve em consideração que nem todas as mulheres reagem da mesma forma a estes estímulos.
  • Esforços psíquicos, discussões fortes, situações de estresse por trabalho, doença de algum familiar. Tudo o que mantenha um excesso de preocupação em sua cabeça, pode desencadear inclusive mais contrações que a atividade física.
  • infecções, especialmente urinárias e vaginais, mas também outras patologias podem influenciar diretamente sobre a atividade do útero.

Procure um médico se:

  • Você tiver mais de 24 contrações por dia, duram mais de 40-50 segundos e elas não desaparecem com o repouso.
  • Antes da semana 37 de gestação você notar contrações frequentes com ritmo, ou seja, que se repetem regularmente. Pode significar uma ameaça de parto prematuro.
  • Com um mínimo de esforço tem contrações repetidas.