Em uma gestação, o normal e desejável é dar a luz entre a semana 37 e a 40. Mas, às vezes, o nascimento é adiantado. Quais os sinais que anunciam um parto prematuro? O que fazer nestes casos?

Os sintomas que avisam:

Existe uma série de sintomas que podem indicar que o trabalho de parto pode ser adiantado. Consulte o ginecologista urgentemente se apresentar:

Contrações uterinas com ritmo. A cada 10 minutos ou menos e se são produzidas durante o repouso.
Sangramentos ou perda de líquido amniótico pela vagina.

Sensação de pressão na pélvis. Dores do tipo menstrual acima do púbis ou na região lombar. Dor abdominal com ou sem diarreia.

Como se confirma o diagnóstico de parto prematuro:

Como distinguir as contrações fisiológicas normais das do início do trabalho de parto? Para muitas mulheres grávidas é difícil, principalmente se é a sua primeira gestação. Existem sinais que não são muito específicos e dão pouca luz sobre o que está acontecendo. Para saber se realmente existe uma ameaça de parto prematuro, foi determinada uma série de parâmetros médicos. Os especialistas usam um marcador bioquímico que emite muita informação se o parto é eminente. É a presença da fibronectina na secreção vaginal que é feito somente em grávidas de alto risco ou que apresentam sintomas. Se esta proteína é detectada na amostra, a probabilidade do parto prematuro se multiplica por três, e se não existe, o risco é baixo, independentemente de surgir outros sintomas.

O que fazer para frear um parto prematuro:

Repousos e fármacos são as medidas adotadas fundamentalmente para tentar frear o parto prematuro. O descanso deve ser físico e mental, para conseguir tanto o relaxamento dos músculos como o seu estado emocional, já que ambos incidem sobre a sua atividade uterina. Portanto, reduzir o seu ritmo diário, permanecendo em repouso, principalmente, sobre o seu lado esquerdo e realizar exercícios de respiração e relaxamento. Mas cuidado, não permaneça na cama deitada, com exceção se houver prescrição médica.

Enquanto isso, os fármacos tocolíticos cumprem uma missão muito concreta, tentar frear as contrações para prolongar entre 24 e 48 horas a gestação, com o intuito de conseguir tempo suficiente para o transporte da gestante a um centro de nível neonatal e para que a administração de corticoides permita a maturidade pulmonar do bebê.